Personalidade do Ano 2014: alguns dos grandes nomes da música latina se unem para celebrar a Personalidade do Ano 2014 da Academia Latina da Gravação®, Joan Manuel Serrat

  • WireImage.com
    Joan Manuel Serrat
Novembro 19, 2014 -- 11:30 pm PST

Há artistas que simbolizam a essência da música latina. Sua poesia, que transcende as fronteiras geográficas e culturais. Seu peso artístico, mais além do passar das décadas. E sua capacidade incrível de combinar palavras com melodias e ritmos para compor hinos que acariciam os sentidos. O cantor-compositor catalão Joan Manuel Serrat é um deles. E o tributo oferecido pela Academia Latina da Gravação durante o evento de gala da Personalidade do Ano 2014 reafirmou a contemporaneidade de temas como “Mediterráneo”, “Penélope” e “Aquellas Pequeñas Cosas”.

Foi uma noite cheia de emoção que começou a pleno vapor, com uma versão solene e arrebatadora de "La Saeta" entoada por Lila Downs, Soledad e Niña Pastori. A percussão, executando um ritmo com ecos de marcha militar, sublinhou a intensidade das vozes destas três mulheres representando o México, a Argentina e a Espanha. "Que orgulho cantar para você hoje à noite," disse Lila assim que terminou a música.

Sem permitir que o público pudesse respirar, o cantor-compositor colombiano Juanes irrompeu o cenário com sua guitarra elétrica e realizou uma versão roqueira de “Hoy Puede Ser Un Gran Día”, com riffs explosivos e o acompanhamento de vozes femininas.

Serrat compôs melodias delicadas em uma ampla gama de formatos musicais - desde os barrocos LPs que o tornaram famoso em toda a América Latina durante a década de 1970 até o som acústico mais puro de seus trabalhos recentes. Ele escreveu em espanhol e catalão e seu catálogo inclui centenas de canções. Fazer justiça ao seu trabalho é um desafio, mas a luxuosa galeria de cantores convidados fez isso sem problemas.

Joaquín Sabina, companheiro de turnês com Serrat, transformou momentaneamente o hotel Mandalay Bay num cabaré do passado com os acordes de jazz de “No Hago Otra Cosa Que Pensar En Ti”. A voz melancólica de Miguel Bosé - homenageado como Personalidade do Ano de 2013 - brilhou durante uma versão de "Lucía" quase acústica, enquanto o desvario de Vicentico, do grupo argentino Fabulosos Cadillacs, e o grupo porto-riquenho Calle 13 com “Algo Personal” conseguiram que Serrat os aplaudisse de pé, rindo em voz alta. Saudações gravadas em vídeo incluíram uma homenagem emotiva de Alejandro Sanz, além de um hilariante sketch de Buenos Aires, pelo famoso grupo de comediantes Les Luthiers.

Se há um cantor-compositor que se parece a Serrat na busca contínua de uma nova música progressiva em língua espanhola - que pode ser burilada ao mesmo em tempo que nos convida a filosofar sobre a condição humana - este é o panamenho Rubén Blades. Agora que o salsero trovador se aventurou em outros gêneros, gravando um álbum de tangos, foi especialmente gratificante vê-lo no palco, interpretando uma versão de “Para La Libertad” que uniu swing e sabor afro-caribenho. Serrat sorria, encantado com a generosidade de seus amigos e colegas.

Depois de um discurso nostálgico e otimista sobre seus 50 anos escrevendo canções, Serrat atendeu às expectativas de todos os presentes para fechar a festa com o final mais feliz que alguém poderia imaginar: interpretou o mítico “Mediterráneo”.  Além do arranjo maravilhoso, quase orquestral e repleto de detalhes interessantes, o que mais surpreendeu foi o timbre juvenil do cantor. É que a voz de Serrat, como suas canções, brilha com a vitalidade de uma verdadeira lenda.